terça-feira, 18 de março de 2008

Movimento de professores de Leiria reclama suspensão do processo de avaliação

No Sol online


Um movimento cívico de professores da região de Leiria, que representa 800 docentes, reclamou hoje a suspensão imediata do processo de avaliação dos docentes, recusando a mais recente proposta de alteração do Governo

Em comunicado, o Movimento em Defesa da Escola Pública e da Dignidade da Docência, que realizou uma reunião no último sábado com 240 professores, critica a «tentativa continuada do Ministério da Educação em impor um modelo de avaliação do desempenho, completamente desacreditado, e um novo modelo autocrático de gestão».
Na moção, aprovada por unanimidade, o movimento exige a «suspensão do actual processo de avaliação, por injusto, inexequível e burocrático», recusando outros «hipotéticos modelos, ditos mínimos e que apenas se destinam a dividir os professores e a salvaguardar as políticas do Ministério da Educação perante a opinião pública».
Para os docentes da região de Leiria, é urgente um «debate nacional para a construção de um modelo de avaliação e de gestão das escolas, que resulte de um forte e amplo consenso político, em prol da qualidade do ensino, da Democracia e do desenvolvimento do país», refere ainda a moção hoje divulgada,

3 comentários:

Cartouche disse...

Colegas: seria interessante que publicassem também os textos de outras tantas não menos respeitadas personalidades que não expressam a opinião que convém. Acho óptimo que façam o que entenderem para lutar contra as políticas do Governo para a Educação mas não digam que é em "defesa da escola pública": 1ª porque parece que até agora a estavam a defender - e ela está mal. Segundo porque é presunção: eu sou professor, defendo a escola pública e por isso mesmo estou de acordo com as políticas do ME.

Gato Preto disse...

Parece que anda por aqui alguma "boyada" socretina a queimar os últimos "cartouches".
Alguém que se diz professor e defensor da Escola Pública e que apoia as polÍticas do ME só pode ser uma coisa: BURRO!

Anónimo disse...

Caro colega do primeiro comentário: para dar tiros nos pés já basta uma série de anónimos que agora nos visitam, dizendo ser professores mas esquecendo-se de dizer o nome ou Escola onde trabalham.

Se não gosta da nossa defesa da Escola Pública, vá ao Gabinete de Sua Excelência Ministra da Educação e faça queixa de nós.

Mas não se preocupe, que há para aí mais gente, como o Emídio Rangel, que concorda consigo e com quem lhe pagar mais.

AR - Professor da Escola Correia Mateus - Leiria