quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

A mesma luta em todo o país

Professores de luto na escola
2008/02/14

Os professores da Escola Básica Integrada de Eixo, Aveiro, marcaram para esta quinta-feira às 10.00 horas uma concentração à porta do estabelecimento de ensino, vestidos de preto.

António Duarte Morais, do Agrupamento de Escolas de Eixo, escreveu numa carta a todos os professores: «todos os dias irei para a escola vestindo uma T-Shirt preta com a seguinte inscrição em letras brancas na parte da frente: “Estou de luto pela Educação” e na parte detrás da mesma “Estou em luta pela Educação”. Espero que todos os colegas adiram a esta forma de resistência, mas a sua adesão pode eventualmente ser mais subtil e discreta. Cada docente poderá usar apenas um fato preto, ou uma bracelete preta, ou um lenço preto ou qualquer outro adereço. O importante é que o mesmo seja preto e se distinga do resto da indumentária, para que seja evidente para todos os que nos rodeiam que estamos de luto».

O "Movimento de Luto" começou há duas semanas, e o mesmo professor do 2º Ciclo do Ensino Básico anuncia que os docentes estão contra uma «catadupa incessante e incontinente de legislação tem sido emanada directamente do Ministério de Educação para ser implementada com uma velocidade estonteante e virtualmente impossível de cumprir, pondo mesmo em risco real o normal funcionamento das actividades lectivas».

Num "Manifesto convivencial ou a arte de resistir" escreve ainda: «Pensava eu que o aluno era um ser humano único e irrepetível, um tesouro incomensurável que nunca poderia ser reduzido à dimensão de um objecto, pela sua transcendência e grandeza. Afinal estava enganado!

Pensava eu que a relação pedagógica se revestia de um carácter extraordinário, quase miraculoso. Julgava que o professor era muito mais que um mero executante ou manipulador de objectos. Concebia o professor como um ser especial com a mais digna e nobre missão: ajudar a formar pessoas. Confesso que estava errado nos meus pressupostos.

No início da legislatura, a Sra. Ministra utilizou um argumento absolutamente definidor da sua concepção de Educação. O investimento no ensino cresceu – dizia – nos últimos vinte anos tanto por cento (não me lembro quanto!) e o sucesso escolar não acompanhou esse crescimento; retirava daí o seguinte corolário: os professores são culpados e devemos fazer com que os professores produzam mais sucesso. Para que os professores se tornem mais produtivos devem passar mais tempo nas escolas e em paralelo é necessário que os alunos também passem mais tempo a aprender(...)».

in On Line News - ver notícia

1 comentário:

José Luiz Sarmento disse...

Se eu fosse Ministro da Educação, teria em cima da minha secretária uma placa com a frase «É O ENSINO, ESTÚPIDO!»

Mas não vale a pena oferecer uma placa semelhante à actual ministra: ela deitava-a para o caixote do lixo e ainda era capaz de pôr um processo disciplinar ao ofertante por lhe ter chamado estúpida.