sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Fichas de avaliação: Maria de Lurdes Rodrigues foi “mal informada”, admite o Ministério ...

A Senhora Ministra da Educação anda muito mal informada. Afinal sempre se reconhece o facto! Enganada seguramente nesta e certamente em muitas outras coisas.
É pena é que tenha dito algo que não correspondia à verdade em frente das câmaras das televisões.
Por isso, sem mais, passamos a notícia de hoje do Público online, colocada às 18h56, pela jornalista Isabel Leiria
Polémica em escola de Leiria

Fichas de avaliação: Maria de Lurdes Rodrigues foi “mal informada”, admite o Ministério


Ao contrário do que a ministra da Educação declarou hoje à saída do debate parlamentar com o primeiro-ministro, o conselho pedagógico do Agrupamento de Escolas Correia Mateus, em Leiria, ainda não se pronunciou sobre a proposta de ficha de avaliação que contempla a “verbalização” de críticas às mudanças ocorridas no sistema de ensino como um dos parâmetros de avaliação.
“Aquela era uma pergunta de forma alguma aceitável e o conselho pedagógico já deliberou negativamente", disse Maria de Lurdes Rodrigues ao final da manhã, depois de Francisco Louçã, no Bloco de Esquerda ter denunciado a situação durante o debate quinzenal com o primeiro-ministro.
Horas depois, questionado pelo PÚBLICO, o assessor de imprensa do Ministério da Educação admitiu que a reunião do conselho pedagógico ainda não tinha ocorrido – está marcada para 12 de Março – e explicou que a ministra declarou o contrário porque “foi mal informada”.
A polémica ficha foi elaborada pelo conselho executivo da escola e distribuída pelos vários coordenadores de departamento para que a analisassem. Na componente “dimensão ética” incluem-se os seguintes parâmetros: “Verbaliza a sua insatisfação/satisfação face a mudanças ocorridas no sistema educativo/na escola através de críticas destrutivas potenciadoras e instabilidade no seio dos seus pares”. Ou fá-lo “de forma serena e fundamentada através de críticas construtivas potenciadoras de reflexão".
Compete ao conselho pedagógico aprovar ou não os instrumentos de registo que as escolas estão a elaborar e que são fundamentais para a recolha da informação que vai estar na base da avaliação dos docentes.

1 comentário:

Jorge Martins disse...

Essa ficha mostra, de forma eloquente, os perigos deste processo de avaliação e do novo modelo de gestão.
E, segundo li no "Público", a (des)Esperança da Correia Mateus saiu-se com esta "pérola": "Um colega crítico pode ter valorização máxima DESDE QUE NÃO CRIE INSTABILIDADE NOS COLEGAS e que nos órgãos próprios manifeste a sua opinião".
Mas que é isto? Será que a dita senhora não vê que essa formulação conduz às maiores arbitrariedades? Não lembra as "actividades subversivas" do salazarismo? Eu sei que o 25 de Abril já foi há mais de 30 anos, mas será que a LIBERDADE mete medo a tanta gente? É que, como disse há alguns dias atrás, isto é, simplesmente, ASSUATADOR.
Já viram o que será essa senhora e outras (des)esperanças espalhadas pelo país com os poderes que são concedidos ao director? Como dizia o outro: SAFA, SAFA, SAFA!...